quinta-feira, 29 de maio de 2014

Sobre X-Men: A Franquia Daqui pra Frente... E se...?

Obs.: O texto abaixo contém spoilers dos filmes da franquia, inclusive o último.

Caso você se pergunte, sim, fui eu quem fiz essa imagem.


X-Men: Dias de um Futuro Esquecido (leia aqui a análise do filme) abriu uma um leque enorme de possibilidades para a franquia dos X-Men. A intenção do filme seria reiniciar o universo dos mutantes, sem necessariamente fazer um reboot, e consertar a falta de planejamento da franquia pela Fox. Ao que parece, a Fox quis fazer isso, mas ainda não deu conta de planejar seu Universo. 
Com um novo público, acostumado à franquia dos Vingadores, eles terão que se adaptar para agradar tanto ao pessoal que curte o trabalho feito pelo diretor Bryan Singer, quanto o pessoal que gosta da linha adotada pela Marvel Studios.
Particularmente penso que não deveriam ter feito X-Men: Primeira Classe. Eu não morro de amores pelo filme como muitos fãs, mas gosto dele. A questão é que a maioria dos problemas de cronologia da franquia de estabeleceu com o Primeira Classe – mesmo se considerarmos o péssimo “X-Men Origins: Wolverine”.


O que eu teria feito após X-Men 3?

terça-feira, 27 de maio de 2014

Sobre o Filme "Assassinato em Gosford Park"


Ter lido os comentários negativos a respeito de "Gosford Park" (2001) antes de vê-lo, me ajudou a gostar mais dele. Todos elogiam fotografia, direção de arte, elenco e tudo o mais, e sim, esses elementos se destacam muito e são todos excelentes, mas quero deixar aqui meus elogios ao roteiro que é pouco elogiado por todos.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Sobre X-Men: Dias de um Futuro Esquecido - A Análise Definitiva



Bem, como eu prometi, vou falar de X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido.
Esse é o meu review definitivo para o filme tanto como filme quanto como parte de uma franquia, analisando todos os pontos que eu conseguir, dividido em duas partes: sem spoilers e com spoilers (Obs.: a parte sem spoilers contém spoilers sobre os filmes anteriores).
Provavelmente vou esquecer algo, então fique atento, pois esse post pode se alterar a qualquer hora. Para facilitar a leitura, dividi o texto em subtextos.

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Sobre o Universo Marvel e Quadrinhos nos Cinemas


Fiquei aliviado ao saber que Fox não planeja um encontro entre o Quarteto Fantástico e os X-Men no cinema. Mas olhando discussões em fóruns e redes sociais, tenho a impressão de que sou o único que tem horror só de pensar em todos os crossovers que acontecem nos quadrinhos acontecendo no cinema.

Eu não acompanho TODOS os HQs e sei bem menos do que gostaria de saber, mas já li e sei o suficiente para dar a opinião de alguém que conhece e gosta tanto do universo dos quadrinhos quanto do cinema.
Nos quadrinhos e nos desenhos eu amo toda essa parafernalha e acho (quase) tudo lindo, mas como cinéfilo, me revira o estômago esses universos se cruzando com orçamentos colossais em filmes que não passariam de pipoca pra Temperatura Máxima da Globo, sem tempo para desenvolver o plot, os personagens, sem tempo para desenvolver nada.

Já basta a franquia dos Vingadores - à qual alguns nerds faltam ajoelhar-se aos pés. Digo, os filmes são ótimos passatempos com uma produção gigantesca, um planejamento invejável (a Fox deveria aprender) e diversos elementos indispensáveis dos quadrinhos. Mas não precisamos de mais gente entrando nesse universo cinematográfico. Sério.

Os motivos?

domingo, 4 de maio de 2014

Sobre o Filme "Insônia"


O equívoco de alguns ao assistirem "Insônia" (2002) é esperar que, por ser de Christopher Nolan, ele seja um grande suspense cheio de peças com quebra-cabeças e um plot twist "mindfucker".
Mas os que curtem o bom suspense sabem que não se precisa complicar muito uma história e enchê-la de surpresas e reviravoltas para que ela seja boa. 
Filmes do mestre do suspense, Hitchcock, como "Pacto Sinistro", "Festim Diabólico" e "Janela Indiscreta" estão aí pra provar isso, assim como outros clássicos de suspense com enredos simples como "A Mão que Balança o Berço".

Concentrando nos interessantes personagens e as interações no mínimo inusitadas que tinha em mãos, Nolan preferiu não cair na armadilha em que M. Night Shyamalan caiu ao fazer dois filmes seguidos com plot twists e acabar ficando "preso" a esse estigma. 
Ao invés disso, depois de filmar "Amnésia" com seu estilo narrativo inusitado e uma reviravolta de cair o queixo, ele optou por um suspense simples - que em certos pontos até lembra o supracitado "Pacto Sinistro" - e bem executado.

Mas mesmo com um enredo não tão inovador assim,